Desenvolvimento Econômico

Matéria-prima de qualidade e em abundância, mão-de-obra qualificada, localização privilegiada, infraestrutura formada, somados a pacotes de incentivos fiscais estaduais e municipais tornam Alagoinhas alvo das principais indústrias de cerveja, refrigerante e água do país desencadeando um ciclo de investimentos dos mais diversos setores que fazem parte do ciclo produtivo.

Como parte desse privilegiado cenário econômico Alagoinhas foi escolhida por empresas de grande porte como o Grupo Petrópolis, Brasil Kirin, Latapack Ball, Indústria São Miguel, Central de Embalagens, Braserv Petróleo, Simonassi e Brespel somando investimentos da ordem de R$ 3 bilhões nos últimos anos.

Esse é um setor sensível que precisa analisar uma série de variantes. Estão instaladas no município empresas como a COTTO BAHIA e SIMONASSI NORDESTE. Estima-se que o polo cerâmico, através do conjunto de empresas do setor aqui instaladas, gera um total de 200 empregos diretos e 600 indiretos, com perspectiva real de ampliação da área e duplicação desse número, quando atingir a sua “capacidade instalada”, em 100%.

a) Extensão da Jazida/Potencial de exploração – 220 milhões de toneladas em depósito de argila.

b) Capacidade de consumo da região metropolitana oito milhões de m²/ano sem contar o grande aquecimento imobiliário planejado para os próximos anos

c) Mercado Potencial para Cerâmica Vermelha – forte da produção alagoinhense 1,4 Bilhão peças/ano; 900 milhões região metropolitana com 30% em blocos e tijolos e 70% em telhas.

Alagoinhas teve nos anos 50 e início dos anos 70 um setor produtivo na área de curtume, aliada ao trapiche de fumo, que consolidou o município como polo industrial naquela época. Estamos em uma região intermediária entre os grandes pecuaristas e o mercado consumidor. Por uma necessidade social as indústrias calçadistas não se concentraram em Alagoinhas.

Brespel – Instalada há trinta anos no município, possui filiais em Nova Hamburgo (RS) e Franca (SP) e possui investimentos constantes no parque Industrial, além de um volume de produção considerável da ordem de 80 mil peles/mês, com escoamento garantido devido ao comércio internacional. O ambiente para instalação de empresas de calçados é muito promissor, composto por 15 “Curtumes” que geram uma média de 2,5 mil empregos diretos. A principal clientela são as empresas exportadoras de calçados, atingindo através delas, o mercado Europeu, os Estados Unidos e a Ásia com aproximadamente 65% da produção.

Malú Calçados – Gera cerca de 900 empregos diretos e indiretos. A localização da cidade permite grande flexibilidade de sua linha produtiva, permitindo atividade no ramo coureiro e sintético.

Embora tenha pouco mais de 160 anos de emancipação político-administrativa, sendo uma das mais novas cidades da Bahia, Alagoinhas também está entre as mais desenvolvidas.

A cidade que cresceu com a força da ferrovia, ganhou a partir da década de 90 um sólido perfil de polo industrial. Hoje, conjuga essas áreas em uma economia forte e ainda desponta como destaque no setor de turismo de negócios.

Nos últimos anos, Alagoinhas tem avançado no ranking de cidades baianas com maior PIB. O valor saltou de 1,3 bilhão em 2009 para R$ 1,8 bilhão em 2011, apresentando crescimento de 39% em apenas dois anos e mostrando que a economia segue aquecida ano a ano.

Quando se leva em consideração o PIB por setor da economia, que corresponde a toda riqueza produzida por uma cidade dividida em setores, Alagoinhas ganha destaque ainda maior, tendo o seu PIB aumentado em 50% no setor de serviços e em 100% no setor industrial em apenas três anos.

Um dos principais fatores para esse bom desempenho foi a Instalação de novas indústrias na cidade, bem como a chegada de diversas empresas de grande porte na área de varejo e de serviços. Essa expansão é fruto, dentre outros fatores, do cenário favorável proporcionado pela administração municipal para a atração de empresas.

Dentre as medidas adotadas estão à criação de um novo código tributário, que reduziu alíquotas de ISS (Imposto Sobre Serviços), de IPTU (Imposto Territorial Urbano) e isenção de taxas municipais para a maioria dos setores da economia.

MAIORES E MELHORES

Outro destaque é o setor de comércio. O 2º maior polo comercial do interior da Bahia que atrai consumidores de cerca de 20 cidades da região, aproximando empresas de grande porte como Insinuante, Casas Bahia, Magazine Luíza, Lojas Americanas, Le Biscuit , Mr. Cat, Subway, Bob’s, Atacado Assaí, Box 23, Di Santini, Farmácia Pague Menos, Farmácia Santanna, Drogaria São Paulo, Cacau Show, Walmart, G Barbosa, dentre outras.

Com um turismo de negócios em franco desenvolvimento, Alagoinhas também acaba de atrair investimentos de gigantes do setor com a chegada do grupo BHG, uma das líderes no Brasil em operações hoteleiras, em um empreendimento de hotel executivo com 162 leitos e do grupo Zii com um hotel executivo de 108 leitos.

UM MERCADO EM EXPANSÃO

Essa localização privilegiada também faz Alagoinhas ser destaque no mercado imobiliário, reflexo do crescimento da Indústria e do comércio nos últimos anos, o município ocupa posição de destaque nos empreendimentos residenciais.

Apenas no projeto Minha Casa Minha Vida a cidade está recebendo cerca de seis mil residências.

MÃO DE OBRA QUALIFICADA

A cidade de Alagoinhas conta com um dos maiores polos educacionais da Bahia. Os destaques vão para os cursos profissionalizantes e superiores, que transformam a região em uma excelente fornecedora de mão de obra qualificada.

O município conta com instituições como o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), Instituto Federal (Ifbaiano), Universidade Estadual da Bahia (UNEB) e diversas faculdades privadas oferecendo cursos como nas áreas de Direito, Enfermagem, Fisioterapia, Medicina, Nutrição, Engenharia de produção, Engenharia elétrica, Administração, Contabilidade, dentre outras.